Especial- Radialista Oduvaldo Cozzi

Queridos radio-nautas,


prestes a realizar mais um natalício de Jesus, o Blog do Rádio Carioca, prestará homenagem a um radialista antigo, contudo, pouco lembrado. Ei-lo, Oduvaldo Cozzi.

Quem vai costumeiramente ao Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, sempre passa pelo viaduto "Radialista Oduvaldo Cozzi", localizado na Zona Norte da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Para falar a verdade, nunca fui ver um jogo no estádio mais conhecido e um dos mais visitados do planeta.E olha que eu sou carioca, hein?!. Aliás, só ouço as transmissões esportivas pelo rádio.

Estava conversando com a "Mamãe Noel Tropical" e com as ajudantes renas, mexemos no "parque dos transmissores" virtual e presenteamos ao querido leitor-ouvinte, um especial sobre um dos radialistas mais importantes para a história da radiofonia carioca. O "sortudo" sem ser sorteado, fora Cozzi.



*Oduvaldo Cozzi empunhando o microfone pela Rádio Nacional(KHz 1130)

Ao pesquisar na web, Oduvaldo foi um grande radialista esportivo no Rio de Janeiro, compreendido entre as décadas de 40 à 60. Segundo o site Pró-TV , Cozzi era considerado um profissional lírico , pela maneira como transmitia uma partida esportiva,com uma voz macia e ao narrar uma "peleja", o jeito como passava os jogadores e suas jogadas.Tinha um rico vocabulário e não transmitia impropérios .

Em 1954, quando houve uma transmissão esportiva pela televisão, da Suíça para a Europa, Oduvald0 fez um bastante sucesso.

Em 1947, na "Emissora da Praça Mauá", Rádio Nacional(Khz 1130 am), graças ao Cozzi, que Orlando Silva, ganhou a alcunha de "O Cantor das Multidões.

Cozzi, esteve nas seguintes emissoas radiofônicas: Nacioanal, Mayrink Veiga e Guanabara.

Oduvaldo Cozzi já está falecido há bastante tempo. Infelizmente, não deu para averigüar em que ano ele "desencarnou". Quem souber, me diga, para eu pôr certo a data de falecimento e também de seu natalício.

Aqui vai uma narração do Oduvaldo Cozzi, retirado do site Galeria de Vozes, quando ele narrara um gol do Pelé, na Copa de 1970, no México.



Um abraço,

Isabela Guedes.
blogdoradiocarioca@yahoo.com.br

Comentários

Eliane Furtado disse…
Isabela, que ótima pesquisa. Excelente homenagem e resgate. Adorei.
Aproveito para desejar um ano de muitas realizações. E que nossa querida mande sempre a luz na direção certa para vc.
força, coragem e parabéns pela sua conquista.
Olá. Procurando e achando no site de Milton 'Tilt' Neves, aqui está um perfil rápido e preciso do grande Oduvaldo Cozzi. Ele era gaúcho de Guaíba, nascido em 1915, marcou época em diversos prefixos, principalmente na Rádio Tupi. Em um dos arquivos de um outro site, ele aparece narrando a final da Taça Rio de 51 (Palmeiras x Juventus). Cozzi cobria a Copa da Alemanha em 1974 quando sofreu uma trombose que (ironicamente), afetou a voz, e da qual não mais recuperaria até a sua morte, na cidade natal, em novembro de 1978. Mais detalhes aqui: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/quefimlevou_interna.php?id=5004&sessao=f. Bjs!
Luiz Claudio disse…
Oduvaldo Cozzi morreu no dia 12 de novembro de 1978, aos 63 anos, em Guaíba-RS. Quatro anos após sofrer uma trombose cerebral durante a Copa do Mundo da Alemanha, em 1974.
Anônimo disse…
Boa noite a tds que vem ou vieram aqui.Meu nome é Leilane Cozzi sou a mais nova das cinco filhas dele.Li o texto e gostaria de fazer algumas correções se não se importam. Meu pai era paulista , a familia era de Santos decendentes de italianos mas minha mãe era gaucha , imagino que tenha sido um mal entendido.. Ele faleceu em 11 de novembro de 1978 em Porto Alegre onde passava ferias no sitio de um dos meus primos. A Copa da Argentina foi a única Copa até então que ele assistiu em casa mas participou de tds as outras até então porisso era chamado de "o locutor de todas as Copas". Obrigada a tds que participaram, um motivo de grande orgulho para toda a nossa familia. Obrigada

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o locutor Sérgio Moraes- "Dos Pampas aos Seringais"

Humor no Rádio Esportivo Carioca- Uma deliciosa crônica do GRANDE Roberto Porto